Boas-vindas e Contadores

Este Blog já está em sua terceira versão! Aqui eu me sinto à vontade para ser eu mesma e escrever sobre qualquer coisa que povoe a minha mente. É onde eu desabafo, reflito, compartilho experiências e descobertas, mantenho registro de momentos felizes e de desafios superados, guardo um arsenal de boas memórias, pensamentos e reflexões para me ajudarem nos dias difíceis... Sejam bem-vindos e não pisem na grama, rs... Ah! Se quiser trocar ideias e compartilhar experiências, visite a Página no Facebook, que é uma extensão deste Blog (e acho que os recursos são melhores para todo mundo acompanhar e palpitar)!

sábado, 31 de março de 2012

Ísis...

Pronto! Eu e o Luís escolhemos o nome da nossa caçulinha: ÍSIS
Eu gosto de nomes curtos... e não compostos... especialmente porque já estamos dando muitos sobrenomes para nossas filhas, rs!

Logo que anunciamos o nome escolhido aos amigos, no Facebook, muitas pessoas mencionaram a "Poderosa Ísis". Não sabíamos do que se tratava, então recorremos ao Google e descobrimos que era um seriado americano, sucesso nos anos 70. Tranquilos por não ser nenhuma aberração do funk, ratificamos a nossa decisão.
Poderosa Ísis

 ÍSIS – Deusa Suprema / Deusa da Lua. 
A deusa Ísis é uma das principais divindades da mitologia egípcia, embora seu culto se estenda por todo o universo greco-romano. Ela é a primogênita do deus da Terra, Geb, e da divindade que rege o Cosmos, Nut. Seu irmão Osíris se torna seu marido, com o qual ela concebe Hórus, deus do firmamento, inebriado de energia solar.
Ísis é zelosa com todos, sejam escravos ou nobres, pecadores ou santos, governantes ou governados, homens ou mulheres. Ela olha por todos com o mesmo empenho protetor, a mesma solicitude, exercitando assim sua natureza radicalmente maternal e fértil.
Por muito tempo, esta deusa foi venerada como a representação maior da essência materna e da esposa perfeita, além de velar também pelo reino natural, portanto, por todas as dimensões da existência. Ela era vista igualmente como um símbolo do que há de mais singelo, dos que morrem e daqueles que nascem.
Juntos, Ísis e Osíris simbolizavam a realeza do Egito.

Capa de amamentação


Sabe quando você precisa amamentar o seu bebê e está cercada de olhares curiosos?
Ou, mesmo que as pessoas não se importem, você (ou seu marido) não se sente muito bem com a situação?
Ou você se sente à vontade, as pessoas à sua volta não se importam, mas o bebê não mama tranquilo, pois se distrai o tempo todo?
Estes problemas podem ser contornados com a capa para amamentação. Este modelo (Baby Moment) é 100% algodão e possui uma gola rígida que não impede o tão importante contato visual da mamãe com o bebê durante a amamentação, além de permitir ventilação e conforto.

Este é um acessório que foi muito útil para mim... desde a maternidade até o último dia em que amamentei a Luísa, com mais de 1 ano. Agora está guardadinha, esperando para ser usada com a Ísis também...

Ganhei de presente de minha amiga Sueli, mãe do Dani e da Fernandinha... Adorei!

quarta-feira, 21 de março de 2012

A escolha do nome...

O processo de escolha do nome do bebê é uma das primeiras coisas que costuma iniciar quando a gente descobre a gravidez... ou até quando ainda a estamos planejando. Tem gente (como eu) que já mantinha uma listinha de possíveis nomes para os filhos desde a infância.
São muitas opções de escolha. Há pais que gostam de ser originais, mas é arriscado cair no campo das esquisitices. Há os que preferem selecionar os nomes comuns, mas isso também não assegura que a criança irá gostar dele no futuro. O senso comum e alguns estudos mostram que o nome é um dos componentes das "primeiras impressões", seja em um Curriculum, em uma festa ou nas redes sociais, fazemos interpretações com base no nome.

O nome é o primeiro presente que os pais dão ao seu filho... e é uma escolha de muita, muita responsabilidade, já que ele terá que carregá-lo pelo resto da vida, gostando ou não.

O meu pai sofreu muito por conta do nome que ganhou ao nascer... não por conta da escolha de seus pais, mas das circunstâncias em que foi registrado. Os meus avôs, imigrantes japoneses, não entendiam muito e falavam pouquíssimo do nosso idioma em seus primeiros anos no Brasil. Naturalmente, escolheram nomes japoneses para os seus filhos, quase todos nascidos em território brasileiro (com exceção da primogênita, minha tia Rosa, que chegou aqui com 1 aninho). Um complicômetro é que o japonês usa cinco sistemas de escrita diferentes: rōmaji, hiragana, katakana, kanji e os algarismos indo-arábicos. Para os nomes de pessoas, é utilizado o kanji. Alguns sons que usamos em palavras em português não são usados pelos japoneses (como o "V" e o "L"). Bom... resumindo, o resultado foi que a grafia dos nomes do meu pai e de seus irmãos não representa exatamente o nome que meus avôs escolheram para eles e, em alguns casos, não ficaram muito agradáveis para se utilizar. Cada um deles, "adotou" um nome brasileiro para se intitular  tendo o privilégio de escolher seus próprios nomes.
Após muita burocracia e muitas tentativas, o meu pai conseguiu ter o seu nome alterado oficialmente. Isso ocorreu poucos anos depois que eu nasci e, por conta disso, eu tenho 2 versões de Certidão de Nascimento.

Quando eu fiquei grávida pela primeira vez, a escolha foi muito simples e ocorreu antes de descobrirmos o sexo do bebê. Eram nomes que a gente já pensava, desde antes de começarmos a tentar engravidar.
Eu adoro o nome da LUÍSA, mas existem 2 inconvenientes: (1) o nome permite grafias diferentes o que, invariavelmente, leva as pessoas a errarem a forma como se escreve; (2) o nome tem sido bastante usado ultimamente e, apesar de na sala da Luísa ela ser a única com este nome, há outras em sua escola (entre 50 alunos da Educação Infantil).

Nesta segunda gravidez, foi fácil escolher o nome de menino. Pode parecer estranho, mas a escolha não foi  Ricardo - nome escolhido para o nosso primeiro filho, caso fosse do sexo masculino. Havíamos escolhido Eric e até já estava decidido que o tema do quartinho seria o politicamente incorreto e polêmico South Park (e o rechonchudo Eric Cartman).
Agora que descobrimos que teremos mais uma menininha, o processo de seleção continua, apesar da lista dos 12 nomes candidatos iniciais estar se reduzindo...

Eu acho importante verificar se o nome escolhido combina com o nosso sobrenome.
Eu também não gostaria de escolher o mesmo nome de alguém próximo a nós ou de alguém muito famoso...
Também me preocupo com os apelidos que o nome pode trazer e, claro, com o significado do nome.
Não quero escolher nomes muito diferentes, que estejam na moda hoje, mas que podem soar esquisito no futuro... mas também não quero um nome muito comum, que precise sempre estar acompanhado do sobrenome para trazer sua identidade. Dei uma olhada na lista do Babycenter com os 100 nomes mais usados para os bebês nascidos em 2011 no Brasil, para tentar não selecionar um dos top ten desta vez (nesta lista, Luísa/Luiza é o 9º nome mais usado para os 60 mil nascimentos registrados pelas mães da comunidade em 2011).
Podemos ouvir a opinião das pessoas que gostamos, especialmente a dos nossos pais e irmãos, mas não é bacana pedir a opinião de muita gente. Sabemos que é dificílimo haver unanimidade e podemos acabar descartando todos os nomes de nossa lista ou podemos ficar frustrados com o julgamento de nossos amigos aos nomes que a gente mais gosta.
Tenho um casal de amigos (Luiz Paulo e Sueli) que utilizou uma técnica interessante para selecionar o nome dos dois filhos: colocaram uma lousinha na geladeira e qualquer pessoa que os visitava poderia escrever uma sugestão de nome lá, mas somente um dos pais poderia apagar um nome (que não voltaria mais para a lista), até que restassem poucas opções para a seleção final, feita pelo casal.

Pude ver a experiência de escolha de nomes levada ao extremo no programa de TV "Pregnant in Heels". Foi a única vez que assisti a este programa, num daqueles momentos em que não se tem nada melhor para fazer. Pesquisei na Internet e vi que o episódio ao qual eu assisti era o Piloto, no qual um dos casos atendidos pela Maternity Concierge (sim, ela ganha dinheiro com isso!)Rosie Pope, foi o de Samantha Ettus, uma autora americana, grávida de seu terceiro filho (o primeiro menino), que queria ajuda para escolher um nome de impacto para o seu bebê. Bom... coisa de quem tem dinheiro de sobra, claro, mas foi ridículo interessante ver as diversas ferramentas utilizadas pela consultora para tentar ajudar na escolha do casal - o que incluiu a realização de um Think Tank, de um Focus Group com a participação de vários experts (em marcas, em língua, em poesia, ...) para avaliação da lista bruta e de um jantar com os amigos do casal para refinar a lista dos nomes finalistas. O pior é que, ao final, o nome que o bebê ganhou foi "Bowen Asher", um nome que nem os grupos e nem os amigos do casal haviam avaliado como o melhor... vai entender!

terça-feira, 20 de março de 2012

Mais uma princesinha....

Desta vez, não quisemos aguardar todo o suspense dos USG e, com 9 semanas de gestação, realizei o exame de Sexagem Fetal. Descobrimos que teremos mais uma princesinha para alegrar o nosso lar!
Agora só falta a gente escolher o nome... Temos uma listinha com 12 opções para selecionar...


Exame de Sexagem Fetal
Geneticamente, tanto as mulheres como os homens apresentam 46 cromossomos, porém o que nos diferencia como sendo do sexo masculino e feminino são os cromossomos sexuais. As mulheres apresentam dois cromossomos X e os homens um cromossomo X e um Y. 
Gestantes a partir da 5ª semana de gestação podem saber o sexo do bebê com um índice de acerto superior a 97%. A acurácia do exame na 7ª semana de gestação para frente é de 99%. O exame analisa o sangue materno, procurando pelo cromossomo Y, que pode estar presente por conta do material fetal circulante no sangue materno, caso o bebê (ou um dos bebês, no caso de gravidez múltipla) seja do sexo masculino. 
Portanto, o que determina o sexo é a presença do cromossomo Y (homem) ou não (mulher). 

VEJA MAIS:

sábado, 10 de março de 2012

Mamãe vai me dar um irmãozinho... Que bom!

Musiquinha para a Luísa, rs...



IRMÃOZINHO (Palavra Cantada)

"Mamãe vai me dar um irmãozinho
Estou contente... Que bom...

Meu pai diz que é ruim ficar sozinho
E tudo que é meu será dos dois
Até a mamãe e o papai... de nós dois!

Mamãe vai me dar um irmãozinho
Estou contente... Que bom

O nosso apartamento é pequeno
E o meu quarto é pequenininho
Então papai e mamãe me disseram
Dá-se um jeito...
Que vale? O que importa?
Que o filho já tá quase batendo na porta!

Vai pegar meus brinquedos!

Mamãe vai me dar um irmãozinho
Estou contente... Que bom

Até que é bom ficar sozinho
Não sei porque o papai diz que é ruim
O que é ruim pra ele, é bom pra mim

Perguntei se pelo menos ele vai saber que eu sou sua irmã
Responderam que não... vou ter que esperar..."

They rock!



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...